quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Psicologia e filosofia



Aula de Seminário Integrador I, professor responsável Rodrigo Sinnot Silva, apresentada pelas alunas Flora Proiette, Josi Schuster, Marcela Banietti, Amanda Fernandez, Larissa Zimmermann e Taís Severo, onde foi discutido os temas relacionados com a matéria Psicologia e Filosofia, ministrada pelo  professor Ney Bruck.
Epistemologia é a teoria do conhecimento, é o ramo da grande árvore da filosofia que trata da natureza, das origens e da validade do conhecimento. Epistemologia deriva da palavra episteme que é o estudo da ciência, é a crítica, diferente de doxa que é a opinião popular, de onde surge a palavra “ortodoxo.
Entre as questões mais debatidas pela epistemologia, destacam-se: “O que é o conhecimento?” e “Como obtemos conhecimento?”.
Entramos, então, em duas funções fundamentais, que é o empirismo: Onde o conhecimento é alcançado a partir da experiência. Como defensor dessa ideia, Locke:




E o racionalismo: Da razão surge o conhecimento. Como pai do racionalismo, Descastes:




 O processo cognitivo, ou seja, a forma como a mente adquire o conhecimento. Locke rejeitava aidéia de Descartes sobre a existência de idéiasinatas, apresentando o argumento de que o ser humano nascia sem nenhum conhecimento prévio, argumento este já defendido pelo filósofo Aristóteles, que dizia ser o homem uma tabula rasa ou lousa vazia, ao nascer. A percepção em questão como essas, onde precisamos levar informações do meio externo para o interno. Para isso usamos nossos órgãos sensitivos, como a visão, paladar, tato e audição. O processamento das informações se dá com a reflexão, com o pensamento, o pensar. E biologicamente falando, se dá com as sinapses.
"Como nosso cérebro produz algo como pensamento"
De modo orgânico, as sinapses são o ponto de conexão entre dois neurônios, elas são úteis para que a informação seja passada através dos tecidos.
A cada novo pensamento, novas sinapses são formadas, para possibilitar a passagem do novo pensamento. Também temos sinapses relativamente permanentes, onde ela se dá quando temos muitos pensamentos recorrentes, automatizando o processo pelo nosso cérebro, o que não é saudável a ele, pois deixa de criar novas sinapses.
Em suma, o pensamento e a criação de memórias dependem do funcionamento ideal do nosso cérebro, pois é de uma complexidade natural, e o mau funcionamento de quaisquer partes de nosso cérebro podem ter efeitos que erroneamente podem vir a ser tratados somente com psicologia, mesmo derivando de problemas orgânicos.
Os fundamentos e conceitos são amplamente estudados, há conceitos sobre todas as coisas, e fundamentos são as bases para o estudo de qualquer ciência, inclusive da Psicologia.
O conceito de fundamento é a razão ou argumento em que se funda uma tese, concepção, ponto de vista; é a base, o apoio. Daí ser tão necessário estudar a fundo esses conceitos.
Um conceito muito trabalhado entre nós na cadeira de Psicologia e Filosofia é o conceito de sala de aula, a modificação deste, para atingirmos um lugar ideal pra trabalharmos de modo que todos se sintam participantes, e não somente ouvintes das matérias.
Como trabalhamos em Fundamentos da Psicologia, vamos a fundo nesses "fundamentos", mesmo que eles acabem nos provando, que na verdade, não há um fundamento geral na Psicologia, devemos estudar vários fundamentos diferentes, pra ter vários pontos de vistas que colaborem com essa construção de conhecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário